Questões táticas também derrubaram Renato no Flu

Siga análises em tempo real no Twitter www.twitter.com/leoffmiranda

Curta e acompanhe no Facebook www.facebook.com/paineltatico

Era questão de tempo para a queda de braço entre Peter Siemsen e Celso Barros ter consequências negativas para o Fluminense em 2014. A demissão de Renato Gaúcho só foi a ponta de um iceberg composto pela Série B salva no tribunal, a demissão de Felipe Ximenes e o desempenho em campo que nunca agradou.

Peter Siemsen sabia que o dinheiro da Unimed seria menor em 2014. Por isso, preferia contratar um técnico que colocasse os jovens das Laranjeiras no time, talvez para vender depois. Mas os muitos atletas recebendo da Unimed fez Peter ceder ao desejo de Celso Barros e o ídolo de 95, Renato Gaúcho, foi anunciado como técnico em 23 de dezembro.

Renato tem uma filosofia que pode ser questionada, mas nunca desmerecida. Longe de ser apenas um “entregador de colete”, Renato une vestiário, dá prioridade aos mais experientes do grupo (que chama de cascudos) e geralmente aposta em uma trinca de volantes para dar suporte ao meia mais criativo e aos laterais, que apoiam como alas. Tudo em prol do resultado.

Logo na pré-temporada em Mangaratiba, Renato deixou claro sua forma de pensar o time: liberdade para Conca e muitas jogadas com os laterais num 4-2-3-1 que teve muitos espaços entre as linhas e problemas na defesa, como os 3×2 para o Madureira na estreia, ainda sem a forma física ideal.

Para dar suporte à zaga e soltar mais os laterais, Renato alinhou Sóbis e Conca, que tinham a companhia de Carlinhos e Bruno no ataque com o suporte de Valencia, que comandava a saída de bola, mas também fazia uma espécie de terceiro zagueiro quando o time atacava: um 4-3-2-1 que variava ao 3-4-1-2.

Só que faltou organização nas coberturas e menos espaços no meio, que frequentemente tinha apenas 3 jogadores. Renato, ainda buscando o encaixe e sem Walter, passou a soltar um lateral de cada vez e subiu o posicionamento de Sóbis num 4-3-1-2 definido.

Esquema pensado para Conca: o camisa 11 tinha total liberdade para circular, encostar na dupla e armar o contragolpe, proposta de jogo que cada vez mais ganhava força. A dependência do argentino ficou clara nos 3×0 contra o Flamengo, melhor atuação sob o comando do ex-técnico.

Se vencia quando Conca estava bem, o Flu começava a apresentar desgaste quando o reforço era muito marcado e não conseguia ligar os atacantes em velocidade. Como já tinha um time ideal, Renato não dava mais treinos táticos e se um adversário surpreendesse, o time ficava sem opções, ou falhava na bola aérea defensiva – muitos atribuíam as falhas a falta de treinamentos.

Foi o que os reservas do Botafogo fizeram nos 3×0 que deixou clara a insatisfação com a proposta do técnico. Hora de usar um “Plano B”, como definiu Renato: Biro-Biro e Sóbis pelos lados e muita velocidade no 4-2-3-1 que goleou o Friburguense, mas ainda não escondia a lentidão da linha defensiva e a dependência de Conca.

Fiel a seus cascudos, Renato retornou ao 4-3-1-2 com Walter e Fred que assegurou a classificação, mas o desgaste da proposta era visível: o time tinha dificuldade se precisava trabalhar a bola, como nos 3×1 do Horizonte, ou vivia das ligações diretas procurando seus atacantes e de Conca, mesmo com 35% de posse como nos 1×1 para o Vasco.

Se não atendeu aos anseios de Siemsen, Renato formou time coeso, mas que desagradava pela proposta essencialmente reativa e que dependia muito de um jogador. Para muitos, apesar das 4 derrotas, o Flu de Renato Gaúcho jogou feio. Para outros, fez o que pôde sem reforços para a zaga e laterais.

Com a demissão bancada pelo presidente, a prioridade do Flu fica clara: dar chance aos jovens para fazer caixa em ano de pouca fartura. Caminhar com as próprias pernas será necessário – dessa vez com ocuidado para não repetir 2013, agora com o oficializado Cristovão Borges no comando.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s