Os 2 Flamengos da vitória contra o Emelec

O Flamengo do primeiro tempo…

…teve a batida de Elano no canto superior direito da rede.

Fora isso, a rotação foi baixa. Mugni ficou mais afastado de Éverton e Elano, homens que completavam os 3 meias atrás de Hernane, mas que freqüentemente acionavam Léo Moura e André Santos, que apoiaram mais. Do lado esquerdo, Cáceres fazia a cobertura de André junto a Samir.

Como os laterais rubro-negros buscavam o campo adversário, o Emelec passou a agrupar os jogadores do lado no 4-4-2 disposto em duas linhas. Bagui e Gimenezes avançavam para bloquear Léo, e o mesmo acontecia com Achilier e Mena. Essa estratégia defensiva do Emelec teve relativo sucesso, mas jogou o time equatoriano para trás, isolando Caicedo e Stracqualursi. Muralha encontrava espaços e avançava, mas sem sucesso.

Flamengo x Emelec 26_02_14

Mesmo depois do gol, o Fla continuou sem intensidade. Foi aí que o Emelec avançou as linhas e o camisa 18 do passou a atuar nas costas de André Santos, onde pôde vencer Cáceres na velocidade e conseguir algumas jogadas de linha de fundo, mas que pararam na limitação dos passes e cruzamentos.

Já o Flamengo do segundo tempo…

…teve a entrada de Gabriel para mexer com o sistema que até então foi lento. O camisa 17 disse, logo após o retorno ao vestiário, que sua função seria fazer a movimentação para as jogadas saírem.

Não foi Gabriel que mudou o jogo, foi o coletivo: os meias ficaram mais próximos entre si, com Elano centralizado e perto de Hernane. Jayme prendeu Muralha e quem passou a articular a ligação entre defesa e ataque foi Éverton, que dava seu lugar na esquerda para André e ia armando o jogo por todo o campo. Como o técnico disso após o jogo, ficou difícil marcar um jogador que não parava em campo.

A presença do Fla no ataque aumentou, e o time passou a atacar nos lados. Não foi acaso o gol ter saído na jogada de André, driblando como ponta para passar a Hernane no gol da provável despedida.

2

Ocupando mais o campo adversário e com movimentação que mexia com as duas linhas do Emelec, o Fla finalmente entrou em alta rotação e marcou melhor o adversário, que novamente esbarrou em deficiências técnicas no último quarto do campo, justamente o de fundamentos mais complexos, e não abandonou o sistema de duas linhas.

Hernane, antes fixo na frente, passou a se movimentar em direção a atrair a marcação e abrir espaços, como no último gol, onde Éverton e Gabriel estavam na sua frente no momento que Cáceres lança. Mesmo sem tantos lances de efeito, o camisa 9 repetiu sua importância tática na Copa do Brasil, onde se mexia e abria a marcação.

3

Jayme de Almeida não bate o martelo sobre o time, mas na coletiva reconheceu que o Flamengo ideal se aproxima daquele visto no segundo tempo. Resta saber qual deles se mostrará nos próximos jogos.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s