Estratégia de Muricy joga o Corinthians para trás no empate

O Corinthians veio com proposta recuada, jogando no contra-ataque. Edenílson e Romarinho foram as opções de velocidade pelos lados do 4-2-3-1, que começou com Danilo mais adiantado que o costume.

O alvinegro não conseguia sair para o jogo. As ultrapassagens de saída, sempre em triangulações com o lateral, volante e meia, não funcionaram por erro técnico e também pela postura do São Paulo.

O híbrido entre 3-4-1-2 e 4-2-3-1 que Muricy Ramalho armou embaralhou o Corinthians. Valorizando a posse de bola, aproximando os jogadores para as tabelas e ultrapassagens, o São Paulo foi superior no volume de jogo e nas finalizações no primeiro tempo, só parando em Cássio.

1

Paulo Miranda, quando o time se defendia, fechava na zaga junto a Rodrigo Caio e Edson Silva. Quando o time atacava, o camisa 13 podia abrir pela direita (como na imagem) e auxiliar Douglas, que de ala passava a meia.

2

O Corinthians melhorou só aos 30 minutos, quando Tite prendeu Edenílson para auxiliar Alessandro na marcação em Ademílson e soltou Romarinho para cima de Paulo Miranda, que quando abria demais possibilitava que o camisa 31 avançasse ao ataque.

O São Paulo cruzou 12 vezes na área do Corinthians e teve 64% de posse de bola. Também foi superior nas finalizações (9 x 4) e nos passes (282 x 140). O toque de bola de Muricy errou apenas 19 passes, enquanto que o Corinthians errou 22: reflexo da marcação são-paulina.

Os nervos ficaram acesos nos 10 primeiros minutos do segundo tempo, com muitas faltas e jogo picado. Depois, Muricy definitivamente passou para o 4-2-3-1 e soltou mais Douglas e Jadson. Mesmo perdendo o domínio territorial atrás, o São Paulo avançou e conseguiu mais uma pressão na base do toque de bola, dos passes em elevação e da movimentação. Faltou a finalização.

Tite respondeu com Diego Macedo e redesenhou o Corinthians num 4-1-4-1, com Alessandro praticamente como zagueiro para vigiar Ademílson e o time atacou mais, sempre no contra-golpe que Emerson perdeu.

3

Os times se cansaram na etapa final, mas quem sentiu mais foi o São Paulo, que recolheu e deixou o Corinthians tocar. Foi quando entrou a já conhecida carência de criação do alvinegro e o declínio físico do São Paulo que selaram o empate.

O pênalti perdido por Rogério Ceni só amplia as incertezas do São Paulo e também do Corinthians, que se vê num dilema de reconstruir seu estilo de jogo. Nada de novo, nem na tabela.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s