Méritos de Cuca no jogo de erros entre Atlético-MG e Newell’s

Cuca treinou, Ronaldinho passou e Bernard fez o gol no início que permitiu ao Galo ter nervos para ficar no ataque e controlar a bola durante a primeira etapa. O time cometeu os mesmos erros de outros jogos: apressou as jogadas pelo alto, pecou na cobertura de Marcos Rocha e teve boas chances de ampliar o placar, mas não acertou o gol.

O Newell’s tentou manter a bola nos pés, mas com os erros de passe de Bernardini e Cruzado, os volantes que levam a bola no ataque do 4-3-3 de Tata Martino, o time pouco acionou Scocco. Aos 20 minutos, quando acertou a marcação pelos lados, teve posse para explorar o buraco na direita do Atlético com Marcos Rocha afoito e Pierre mal na cobertura.

O Galo poderia ter traduzido a superioridade no primeiro tempo em gols: 9 finalizações, 5 erradas. O Newell’s jogou fora de sua característica de posse ofensiva (teve 46% da posse), mas foi mais efetivo e errou apenas 1 das 4 finalizações que tentou.

O jogo ficou mais lento e picado na segunda etapa não apenas pelo nervosismo atleticano, mas pela postura adiantada do Newell’s, que avançou as linhas. Figueroa e Rodriguez procuraram trabalhar mais a bola para Scocco, que com movimentação conseguiu sair da cola de Pierre e inverteu o domínio do jogo.

Quando o Galo tomava a iniciativa, filme repetido: muito cruzamento e pouca velocidade. Sem a vitória pessoal de Jô na jogada de pivô e Tardelli e Bernard bem marcados, o Atlético lentamente foi perdendo o brio.

Até que a luz acabou, Cuca mexeu e deu novo gás ao ataque. Nas combinações rasteiras de Guilherme, Luan e Alecsandro o Galo pressionou. E numa bola mal rebatida por Mateo, Guilherme fuzilou e prolongou o jogo aos pênaltis.

Deu Galo, pela primeira vez numa final de Libertadores e mais perto de encerrar o longo jejum que assola o clube e a torcida. Victor defendeu a última penalidade e confirmou o status recebido contra o Tijuana.

Se Victor e Guilherme são os heróis da inédita decisão, as mexidas de Cuca foram fundamentais para concertar os erros pelo alto e dar fôlego no ataque. Mas errar menos com bola rolando será fundamental na final.

Anúncios

2 thoughts on “Méritos de Cuca no jogo de erros entre Atlético-MG e Newell’s

  1. Leo,
    O Josué fez outra excelente atuação ontem. Você não acha que a equipe titular ganha com o Josué no lugar do Donizete?
    E qual a resposta para a ausência do Bernard no primeiro jogo da final? Com o Guilherme em melhor fase (contra Criciúma e Coritiba ele fez boas partidas), o Cuca talvez fique na dúvida entre ele e o Luan
    Abraços

    • Felipe, Josué foi muito bem. Ele não costuma errar os passes e é importante para a transição da equipe. Mas não costuma chutar de fora da área, o que Donizete faz e muito bem. Acredito que o substituto para Bernard seja Luan, pela velocidade. Se optar por Guilherme, Cuca pode perder marcação. Abraços.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s