Brasil 2 x 1 Uruguai: jogar bem não significa vencer

“Nós sabemos que não jogamos bem. Os jogadores também.”. Scolari resumiu bem o jogo.

O Brasil não jogou bem, mas venceu. Ou o certo seria: o Brasil não jogou bem E venceu?

No 4-2-3-1, Neymar começou no centro e embolava com Oscar, que tentava abrir para Daniel Alves, sem sucesso. Ao contrário dos últimos jogos, Luiz Gustavo alinhou com Paulinho, o principal encarregado de levar a bola ao setor ofensivo. O Uruguai começou pressionando no 4-3-3 que logo virava 4-3-1-2 com Forlán recuando para puxar a marcação e armar o time.

Júlio César salvou penalti do afobado David Luiz e mostrou a sua estrela e também a de Felipão, que deu total confiança para o criticado guarda-redes que falhou na Copa de 2010.

Muitos problemas na saída de bola brasileira com a marcação a la Bayern do Uruguai: zagueiros brasileiros livres, Forlán voltando com paulinho, Cavani e Suarez fechando os espaços dos laterais num 4-1-4-1 que matou todas as opções de passe do Brasil. Interessante notar que Paulinho recebia a bola quase sempre livre, mas não tinha para quem tocar.

Paulinho recebeu bola limpa, viu e lançou Neymar, que saiu do caixote dos 3 jogadores uruguaios e Fred empurrou para o gol.

Sorte? Momento bom? Não, gol de centroavante, esse tão criticado e tão importante jogador no futebol de ontem e de hoje.

O Uruguai desconcentrou a compactação por um único momento e levou o gol. Esse é o perigo de times que jogam com muita intensidade: a dificuldade de concentração nos 90 minutos. Um momento, uma chance e o resultado pode ser adverso. Para explorar isso, o centroavante definidor, que em uma bola faz o gol.

Se o Brasil não jogou bem, finalizou mais que o Uruguai: 4 chutes, versus 3 da Celeste. Errou mais passes – 19 contra 13, natural pela marcação muito entreita do Uruguai. Terminou com 67% de posse de bola, mas o gol saiu em transição, na velocidade.

O Uruguai conseguiu o gol quando Thiago Silva não “zagueirou”, Marcelo cortou mal e Cavani empurrou para as redes. O chutão, tão criticado e feio, seria a melhor opção.

O Uruguai soltou mais os laterais, prendeu Cavani para vigiar Marcelo e ajudar Maxi Pereira no combate a Neymar e continuou com a marcação ferrenha. Mais desorganizado do que o primeiro tempo, o Brasil não se achou nos 15 minutos da etapa complementar e concentrou o jogo na “posse inócua” no meio campo, com Paulinho mais avançado, quase num 4-1-4-1.

Felipão viu e agiu: Bernard no lugar de Hulk, que não foi bem nem no ataque, nem na defesa. Quando atacou, o Brasil não superou o paredão uruguaio na defesa, apesar de organizado e com Bernard e Oscar acordados. Quando defendeu, tirou as bolas do Uruguai pelo alto, apesar dos sustos que preocupam.

Com Hernanes, Paulinho foi liberado para avançar mais a frente, apesar da fase no jogo onde o meio-de-campo desapareceu: o Uruguai chutava muito de fora da área e apostava nos escanteios, enquanto o Brasil empilhava jogadores, mas não tinha coordenação nos movimentos.

Quando o jogo se encaminhava para o empate, apareceu outro elemento tão crucificado: o escanteio. Paulinho, ao estilo de impulsão e elemento surpresa que o consagrou, marcou aos 42 do segundo tempo e colocou o Brasil na final.

Na raça e motivação, típicas de Scolari, o Brasil encontrou muitas dificuldades, mas venceu.

Jogar bem ou melhor que o adversário não significa vencer.

Fazer mais gols que o oponente sim. E para isso acontecer, ainda há muito o que melhorar. Todos sabem disso

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s