Rebaixamento do Moleque Travesso vai além da tática

O tradicionalíssimo Juventus da Mooca, clube que ainda guarda o romantismo de épocas mais gloriosos e a pecha de “pequeno” muito amado, amargou no último sábado um novo rebaixamento para a Série A3, correspondente a Terceira Divisão do glorioso Campeonato Paulista. Para muitos juventinos, principalmente os 1098 pagantes que compareceram ao Rodolfo Crespi no jogo contra o Guaratinguetá, nenhuma novidade: o Moleque Travesso, conhecido por aprontar sempre para os 4 grandes do estado, vive má-fase que dura anos e ameaças de construção de uma arena, muito mais para agradar empresários do que a torcida.

Foi num estranho 4-4-2 britânico que o Juventus, que parecia começar uma reação ao empatar com o Santo André no último jogo, veio a campo para testar forças com o Guaratinguetá, time limitado mas aguerrido e que está na fase de classificação da A2. As opções de Celinho, treinador da base que assumiu após a debanda de Luiz Carlos Ferreira, mostraram desespero condizente com a tabela: Franklin, lateral, jogou no meio para proteger a esquerda, enquanto que Romarinho, meia de criação, foi lateral liberado ao apoio com o garoto Alan pela direita, para aproveitar a boa cabeçada de Pedro Rocha. Travado no meio, o Moleque não chegava pelo último passe que não saia e tomou um balde de água fria logo nos primeiros minutos, com gol da Guará em rebote de Túlio.

Segundo tempo, nova postura. O bom Marcelo Xavier foi liberado ao apoio e embora Alan cuidasse mais para que Romarinho subisse sem deixar espaços, o Juve só chegava na bola aérea, repetindo a dinâmica do travado primeiro tempo. Logo aos 3, rebote do Guará e gol “chorado” de Pedro Rocha, herói na Copinha. O Moleque pressionou, mas tomou dois gols de contra-ataques e chora o rebaixamento para a A3, de onde saiu ano passado.

Claudemir Peixoto, José Carlos Serrão e Luiz Carlos Ferreira, o comandante do acesso em 2012, gozam de bom nome no interior paulista e foram os técnicos que passaram pelo Juve, mas sem conseguir imprimir padrão de jogo e ter resultados satisfatórios. Veteranos como Elvis e Tuta, aquele mesmo, não mostraram bom futebol e a instabilidade tomou conta do clube da Javari. A direção, muito ligada a empresários, parece que usa toda a tradição do clube para contratos suspeitos. A impressão que ficou é que o Juventus só irá se reconstruir quando priorizar um trabalho de base e tiver a ajuda de algum “dono”, a exemplos de PSG e Manchester City.

#ForzaJuve. É o que resta a dizer para esse pequeno gigante cheio de tradição que jamais morrerá na memória de mooquenses, paulistanos e apaixonados pelo futebol.

One thought on “Rebaixamento do Moleque Travesso vai além da tática

Deixe uma Resposta para Dexaketo Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s